Afinal, como ser um empreendedor de sucesso?

Ser um empreendedor de sucesso envolve coragem para correr riscos e enfrentar obstáculos.

Avaliação
Sem votos

Publicado em 10/05/2019 | Atualizado em 13/11/2019

Imagem do Topo
Mulher usando um Notebook

A figura empreendedora vai bem além daquela imagem de quem abre uma empresa e, eventualmente, dá sorte com essa escolha. Empreendedores de sucesso são aqueles que sonham, persistem e trazem consigo a arte de vencer obstáculos e transformar ideias em bons negócios. 

Uma das principais diferenças entre empreendedores e empresários é que muitos empresários fazem suas aquisições baseadas em momentos da economia, comportamento de público e viabilização de produtos e serviços em determinada região, enquanto o empreendedor tem a visão clara de que sua iniciativa tem propósito e pode mudar a realidade de seu cliente-alvo.

realidae virtual

Por isso, empreendedores têm características um tanto diversas, que vão da iniciativa em fazer acontecer, com perseverança e vontade, até a liderança, que pode ser nata ou adquirida, mas que faz toda a diferença em contextos de negócios desafiadores. 

Também são marcas do empreendedor de sucesso a coragem para correr riscos e enfrentar obstáculos, inclusive econômicos, a capacidade de planejar os passos da empresa de maneira racional e a eficiência em colocar suas ideias no mercado, através de validação junto ao público com o produto mínimo viável.

Um bom empreendedor também vai dispor de uma boa rede de contatos, seja em ambientes formais e informais, e conseguirá trazer o público para mais perto de seu próprio sonho.

Mas não se engane: o empreendedor não é apenas aquele que sonha com um mundo melhor; ele faz essa realidade acontecer, em produtos e serviços, para seu micro ou macro universo de atuação. É por isso que, hoje, temos tantos exemplos de empreendedorismo de sucesso inspirando novas ideias – que, com essas características em seu líder, têm tudo para virar grandes empresas.

Você vai encontrar aqui

Quais os benefícios de desenvolver minhas características empreendedoras?
Quais as principais dificuldades enfrentadas pelo empreendedor?
Como aplicar as estratégias corretas no momento certo do meu negócio?
Quais são os riscos que posso ter na minha empresa?
Como enfrentar uma crise e melhorar a eficiência do meu negócio?
Como se tornar mais comprometido?
Como estabelecer metas para o meu empreendimento? 
Quais são os benefícios de estabelecer relações no meu negócio?
Como melhorar minha auto-confiança?

Quais os benefícios de desenvolver minhas 
características empreendedoras?

O empreendedor de sucesso tende a encarar cada processo de seu novo negócio como uma etapa de aprendizado. Assim, até as maiores falhas se tornam lições aprendidas, com valor claro para o que o empreendedor busca fazer.

Portanto, ao desenvolver suas características empreendedoras, você estará frente a frente com a possibilidade de ir mais longe e quebrar as próprias barreiras. Dessa forma, mesmo que a primeira tentativa de transformar a ideia em modelo de negócios não dê certo, você terá bagagem para encarar esse desafio mais vezes.

Um empreendedor nato é aquele que consegue ver, desde criança, sinais de liderança, risco, boas ideias, bons argumentos de venda em suas atividades preferidas. Uma criança que adora vender doces, balas ou gosta de brincar com a visão do empresário pode se tornar empreendedora, já que esboça natureza para essa finalidade.

garoto voando

Muitos exemplos de empreendedores começaram a desenvolver ideias mercadológicas na infância ou adolescência,
ainda que, lá, elas não fizessem muito sentido.

A boa notícia é que o empreendedorismo não é um luxo apenas desse grupo de pessoas: pode ser uma habilidade adquirida, através do desenvolvimento de habilidades como proatividade, liderança, pensamento linear, resiliência e capacidade analítica. Qualquer pessoa que se dedique a esses e outros itens indispensáveis ao empreendedor pode se juntar ao time.

A proatividade, especialmente, é uma característica empreendedora que pode estar com a gente desde a infância sem que percebamos sua presença. Ela diz respeito ao fazer sem que alguém te peça, ou além daquilo que foi pedido.

Na escola, se a professora te pede para fazer um trabalho de, no mínimo, seis páginas, sobre o meio ambiente, e você traz um dossiê completo, com fotos, depoimentos, participação de especialistas do meio ambiente, você fez além daquilo que foi pedido. Foi proativo.

No mercado de trabalho, se o chefe ou líder de seu setor vai precisar de um relatório daqui a seis dias, mas você já aparece com ele pronto antes que a demanda chegue até você, pelo simples fato de que você conhece a importância e a urgência daquele documento, você fez o que ainda não lhe foi solicitado, mas era importante e útil. Foi proativo.

palestra

A proatividade traz inúmeros benefícios aos negócios do empreendedor, uma vez que, nessa posição, é contraproducente esperar que lhe peçam algo. Afinal, é o empreendedor, o idealizador, quem dita as regras do jogo. Quanto mais proativo for – no sentido de correr atrás, mais chances o empreendedor terá de fazer sua empresa decolar.

Para incentivar a proatividade na sua empresa, o melhor a se fazer é liderar pelo exemplo: não dá para exigir dos outros o que a gente não faz. Por isso, mantenha-se proativo e empolgado com os resultados dessa atitude, para que sua equipe enxergue valor nela e a adote como estilo de trabalho.

Quais as principais dificuldades enfrentadas pelo empreendedor?

Empreender pode ser frustrante para quem não está preparado. Afinal, o principal sinal de dificuldade vem da exteriorização da ideia. Ao expor seu modelo de negócios ao mundo, o idealizador pode ouvir das pessoas que aquilo não dará certo, que é perda de tempo ou é um projeto “muito ousado” – como se isso fosse um problema.

Para que essa etapa não seja devastadora, o empreendedor precisa estar certo de que conhece bem os meandros daquilo que pretende fazer. É preciso ter em mãos um modelo de negócios que avalize e viabilize a argumentação das ideias da nova empresa para que a dificuldade de ser levado a sério seja ultrapassada.

Outro obstáculo comum é a falta de dinheiro para começar as atividades, o que faz com que muitos empreendedores busquem ajuda de investidores, além de financiamentos bancários. Para que essa alternativa não se torne um fardo no médio e longo prazo, o modelo de negócios deve apontar de forma assertiva quais são os custos do negócio e como, quando e por quem eles podem ser pagos.

Dando um passo atrás nas etapas do empreendedorismo, uma dificuldade comum pode ser a falta de habilidade para identificar oportunidades de negócios. O empreendedor nato costuma ter mais facilidade para olhar uma aparente oportunidade e ver como ela pode se desdobrar. Quem precisa melhorar suas características empreendedoras, por outro lado, precisa ficar ainda mais atento aos itens que tornam uma oportunidade excelente ou péssima.

Nesse caso, é sempre prudente estar atento ao mercado, à economia, às tendências de consumo e ao comportamento do público para desvendar o que está à sua frente.

mulher estudando

Como aplicar as estratégias corretas 
no momento certo do meu negócio?

Um negócio não pode ou deve ser colocado em prática pelo impulso. É preciso que o empreendedor responsável por ele tenha o conhecimento básico necessário para disponibilizar produtos e serviços dentro de um determinado mercado.

É o modelo de negócios pensado para a nova empresa que vai definir como e quando aplicar as estratégias de negócio, inclusive – e principalmente –, as que dependem de investimento financeiro.

Afinal, enquanto a empresa está ainda no campo de validação das ideias, não há o comprometimento financeiro que, quando feito de maneira errada, pode prejudicar tanto a empresa quanto o dono do dinheiro.

Para saber o momento certo de investir no negócio, dedique tempo a estudar seu modelo, produto e serviço, mas não se esqueça de dar uma olhada na macroeconomia, ou seja, a situação econômica do país ou da sua região de atuação no momento da abertura da empresa. 

Quais são os riscos que posso ter na minha empresa?

alagamento

O grande primeiro risco que o empreendedor corre ao pensar sua empresa é colocar sua ideia em prática sem o necessário conhecimento prévio de mercado, queimando as chances de fazê-la dar certo. Além desse, fazem parte dos principais riscos empresariais a interrupção dos negócios, as condições macroeconômicas, a liquidez, os riscos regulatórios, destruição ou perda de recursos físicos, catástrofe natural, mudanças legais, risco à saúde ou segurança do trabalho, reputação de marca e disponibilidade de capital. Alguns deles fogem completamente ao controle do empreendedor, como é o caso das catástrofes, destruição ou perda de recursos e mudanças legais, uma vez que pode ser impossível prever novas regras do jogo, principalmente no quesito de regulamentação governamental e concessão de licenças. 

Outros, como disponibilidade de capital, liquidez e reputação de marca, dizem respeito à forma com que a empresa é gerenciada. A administração do nome, dos colaboradores e dos recursos faz toda a diferença.

Alguns riscos, inclusive os que fogem ao controle, podem ser evitados: o prejuízo do roubo de recursos físicos pode ser diminuído se a empresa tiver um bom sistema de backup de dados, as reações macroeconômicas podem ser previstas por uma equipe que está alinhada ao modelo de negócios e vai saber ler, com antecipação, as situações adversas.

Outros, ao contrário do que muita gente pensa, devem ser abraçados, assumidos, e não ignorados ou evitados. A mudança, a instabilidade, a reputação da marca, são itens de uma lista que estão sob a tutela do empreendedor e sua equipe. Quanto mais a empresa estiver apta a aceitar desafios, melhor ela vai gerenciar esses e demais riscos que sejam condizentes à natureza de seu negócio. 

Como enfrentar uma crise e melhorar 
a eficiência do meu negócio?

Ninguém abre uma empresa para se sentir constantemente desconfortável. A esperança é que os negócios decolem e que a estabilidade deixe de ser, aos poucos, uma utopia. Contudo, há momentos em que os empreendedores são desafiados a repensar os benefícios de manter as portas abertas, como as crises causadas de dentro da empresa para fora, ou de fora para dentro, a exemplo de uma recessão econômica, por exemplo. 

Assim, para saber se mantém o negócio ou desiste dele, o empreendedor precisa considerar todas as variáveis, entender de onde vem o ponto de tensão e como ele pode ser trabalhado para melhorar as perspectivas da empresa. Por exemplo: diversas campanhas surgiram, em 2018, contra os canudos plásticos, renegando o item como fator de poluição do meio ambiente, principalmente dos mares. As brigas em prol do meio ambiente costumam ser um caminho sem volta – afinal, não há argumentos científicos que comprovem que o plástico não faz mal, muito antes pelo contrário.

homem vibrando

Arquivo de vídeo

Uma empresa que só fabrica canudos de plástico, então, pode estar prestes a encarar a uma crise que levará a seu fechamento, uma vez que, com o comportamento consolidado do consumidor em não utilizar mais esse produto nos próximos anos, não haverá o que vender, ou para quem.

Já se a empresa resolver mudar seu material para canudos de vidro, de papelão, de material biocompostável ou, simplesmente, deixar de produzir canudos para dar outra vazão à sua matéria-prima, a crise em questão pode acabar virando uma oportunidade de negócios. Não seria prudente, então, fechar as portas frente a novas perspectivas. 

Em exemplos menos extremos, o que pode levar um empreendedor a pegar os limões da crise e fazer uma bela limonada ou, simplesmente, desistir de tudo, está ligado à sua capacidade de ser persistente. Sempre que uma situação ruim aparece, a pessoa persistente vai tentar tirar o máximo proveito, as lições a serem aprendidas, para tentar virar o jogo.

 

A persistência não é um dom, mas uma habilidade adquirida.
Quanto mais tivermos forças para lutar, mais persistentes seremos.

 

Se você não sabe nem por onde começar a ser persistente, esteja atento às oportunidades que o próprio mercado te dá para desenvolver essa habilidade. O Empretec, por exemplo, é uma iniciativa do Sebrae que pode te ajudar a melhorar suas características empreendedoras, estando pronto a enfrentar a crise antes mesmo que ela possa aparecer. A metodologia usada em seus seminários é a mesma da ONU, Organização das Nações Unidas, e tem como objetivo potencializar o empreendedor que existe em cada idealizador de um negócio.

Até agora, mais de 200 mil pessoas já foram capacitadas pelo Sebrae para tornar suas empresas mais eficientes, em um programa que está disponível a todos os estados brasileiros. Podem participar dele empreendedores e colaboradores que idealizam negócios. O processo de seleção dos candidatos é feita em duas etapas, com preenchimento de formulário e entrevista presencial e individual.

Como se tornar mais comprometido?

Nenhum empreendimento chega ao sucesso sem o comprometimento de seus idealizadores e líderes, o que faz dessa habilidade algo indispensável a quem quer transformar boas ideias em oportunidades de negócio.

Para se tornar comprometido com a empresa que está criando, o primeiro passo é entender qual é o seu propósito. Quanto mais alinhadas nossas expectativas empresariais estão com nossos sonhos e desejos de mudança, mais fácil fica se agarrar à empresa com a devida importância e atenção. Também torna tudo mais natural, fazendo com que o comprometimento em relação às questões do negócio se transforme em hábito para os empreendedores.

Algumas formas de se tornar uma pessoa mais comprometida são:

Entender qual é a razão de existir do negócio e procurar ligá-la aos seus propósitos de vida;

Ter a consciência de que a empresa não muda apenas a sua realidade, mas a de clientes e colaboradores;

Procurar solucionar os problemas que aparecerem com entusiasmo, e não frustração;

Deixar de reclamar para começar a agir em prol das causas empresariais que quer alcançar;

Participar ativamente das discussões, questões e momentos de descontração da empresa, conhecendo seus pares, bem como suas alegrias e anseios, para além do ambiente corporativo.

Ao fazer capacitações empreendedoras, como as que sugere o Empretec, você pode se descobrir uma pessoa realmente comprometida. Esse senso pode estar apenas embaçado pelas dificuldades a se enfrentar pelo caminho, e, por isso, há como reverter o quadro e se tornar dono, por aclamação, das rédeas do seu negócio.

O comprometimento pode vir, também, através das estratégias de diferenciação que você cria e usa na sua empresa – o Empretec é uma das alternativas, inclusive, para definir essas estratégias.

Como estabelecer metas para o meu empreendimento? 

As metas de um empreendimento devem ser definidas de acordo com seu modelo de negócios. É a partir dele que o empreendedor entende as necessidades, possibilidades e objetivos primordiais que vão levar a ideia ao sucesso.

As metas só serão factíveis se seus estudos de mercado estiverem em dia. Quando realistas, elas serão a chave para novas etapas empreendedoras, e vão fazer parte de um ciclo que se constitui das seguintes etapas:

 

1.     Especificar objetivos;

2.     Criar objetivos que possam ser mensurados;

3.     Definir métricas para acompanhar esses objetivos;

4.     Determinar as prioridades, colocando as metas em lista de alcance;

5.     Acompanhar a evolução ou os gargalos das metas;

6.     Mensurar seus resultados;

7.     Avaliar como os resultados alcançados impactam nos objetivos do negócio;

8.     Redefinir as metas.

Uma empresa de sucesso sempre vai se pautar por metas a serem alcançadas, não estando nunca acomodadas naquelas que já foram concluídas. Portanto, o caminho que leva o empreendedor a andar do 1 ao 8 da lista acima é cíclico, e nunca vai acabar. Cada meta antiga, alcançada ou não, vai levar, invariavelmente, à definição de novas metas.

Quando uma delas não é alcançada, é preciso reavaliar, com critério, todas as etapas para definir onde estava o gargalo e quem é responsável por ele. Uma meta de vendas, por exemplo, pode não ter sido batida por um momento de recessão econômica, ou por falta de capricho do vendedor. Quem define a resposta ao impasse são os indicadores de cada meta.

Se todos os colaboradores de um empreendimento fizeram sua parte, exceto um, talvez o problema resida justamente nesse colaborador. Já se a empresa fez promoção, negociou, promoveu descontos, teve todos os seus colaboradores engajados e, ainda assim, ficou longe de bater a meta, pode ser por causa de um fator externo, como a crise. Nesse caso, é preciso reavaliar todo o ciclo de metas para entender como tornar as pautas mais realistas e alcançáveis daqui pra frente.

Para isso, é preciso se planejar. 
 

O planejamento vem do monitoramento constante de resultados, que vão apontar os caminhos para novas ações. Um empreendimento de sucesso não sobrevive sem planejamento – e é por esse motivo que você precisa, a partir de agora, acompanhar de perto os resultados da sua empresa.
São eles que vão mostrar como se planejar para os próximos meses ou anos e entender os obstáculos e oportunidades que vem pela frente.

Quais são os benefícios de estabelecer relações no meu negócio?

Um empreendedor aprende, com as experiências, que estabelecer relações é uma das formas mais interessantes de dar sobrevida à empresa. As parcerias, hoje, são indispensáveis para que marcas cresçam, apareçam e ofereçam produtos e serviços cada vez mais completos para seus clientes finais.

Para que boas parcerias sejam firmadas é necessário:

• Saber como cada parceiro pode fazer a diferença na empresa;
• Entender quais são os benefícios mútuos da parceria e deixá-los claros para os potenciais parceiros;
• Participar ativamente de eventos e cursos voltados para o seu setor.

A prospecção de parceiros pode se dar, inclusive, dentro desses eventos e cursos. É em ambientes como esses que enxergamos mais o potencial de ajuda do que a eventual concorrência – mesmo porque, na maior parte das situações, parcerias vão se complementar, e não competir pela atenção do cliente.

Contudo, é prudente que sua marca estude as prospecções antes de fechar qualquer parceria, para ter certeza de que elas não vão representar novos riscos ao seu negócio. Se aliar a uma empresa que tem reputação manchada, por exemplo, pode ser extremamente nocivo ao seu empreendimento.

quebra cabeca

A administração de entregas versa sobre fazer o que foi combinado na situação de parceria. Se o que foi acordado é indicar o parceiro sempre que não puder prestar o serviço a um cliente, é exatamente isso que deve ser feito, ao invés de dizer ao cliente que não conhece quem possa ajudá-lo ou indicar alguém que não faz parte da parceria, principalmente quando é o parceiro o nome mais indicado na situação.

Manter as boas parcerias é questão de administração de expectativas, entregas e relacionamento. Expectativa porque a parceria não significa, necessariamente, sucesso: é apenas um meio para chegar a um fim, que, espera-se, seja benéfico. Isso não significa, contudo, que seu parceiro tenha obrigações quanto ao sucesso dos seus negócios. 

Tudo o que foi combinado entre as duas partes deve ser feito por ambas as partes de maneira mensurada, principalmente se a parceria se dá por permutas, ou seja, troca de serviços. Os itens de qualquer modelo precisam estar descritos para evitar quaisquer problemas futuros sobre o relacionamento entre empresas.

Por fim, gerenciar esse relacionamento é importante para que ele seja duradouro. Seja proativo, esteja à disposição do parceiro, faça com que ambas as empresas tirem o máximo proveito de oportunidades que caibam às duas. 

Tenha mais empatia, menos egoísmo, mais ambição de sucesso para ambos
e menos concentração de sucesso apenas nas suas questões.
Quanto mais duradoura for a relação entre vocês, mais o mercado,
e os clientes, entenderão a importância dessa parceria.

Como melhorar minha autoconfiança?

O mercado está sempre a postos para julgar empreendedores e suas ideias. A melhor forma de melhorar sua autoconfiança é não ser, você mesmo, uma dessas pessoas. Acreditar no seu propósito, na verdade de seus atos, é uma das armas contra a insegurança – porque, acredite, ela eventualmente irá bater à sua porta. O que você sabe sobre o que você quer é o que vai te livrar dela.

Cercar-se de pessoas positivas é outra forma de ter mais confiança naquilo que você faz e na força que sua empresa pode ter. Deixe os pessimistas de lado, falando sozinhos, e ande só com os otimistas. Isso não significa que você não terá críticas, apenas que elas serão construtivas, e não serão dadas com o objetivo de te fazer sentir mal, e sim de te fazer crescer.

pensante