Entenda o que é o PIX e como utilizar a favor da sua empresa!

Como funciona o PIX para seus clientes?

Avaliação
Sem votos

Publicado em 26/02/2021 | Atualizado em 03/05/2021

Imagem do Topo
PIX

PIX: O QUE É E COMO FUNCIONA

O PIX promete representar uma facilidade para o cotidiano de quem precisa fazer transferências de valores frequentemente, e para aqueles que realizam transferências esporádicas.

 

Esta nova categoria de transferências apresenta uma robusta segurança de dados, principalmente para a sua utilização em dispositivos móveis. Uma grande vantagem para quem já utiliza aplicativos bancários, internet banking e são clientes de Fintechs.

 

O PIX com certeza fará parte da sua rotina ou então você ouvirá falar muito dele. Para acompanhar o mercado, verifique junto a instituição financeira que você possui uma conta bancária e utiliza o internet banking e solicite o cadastro das suas chaves.

O que é PIX?

PIX foi o nome dado pelo Banco Central - BACEN ao sistema de pagamentos instantâneos que entrou em vigor no Brasil a partir de novembro de 2020. Embora sua tecnologia já esteja em estudo e desenvolvimento desde 2018, o sistema foi aprovado definitivamente em agosto e entrou em vigor no dia 16 de novembro de 2020.

O PIX integra as modalidades de transferência eletrônica de valores juntamente com o TED e o DOC, modalidades que são efetivas, mas possuem limitações de tempo e horários para efetivação.

O TED, por exemplo, permite uma transação de dinheiro entre bancos diferentes, mas leva cerca de meia hora para compensar a transação financeira realizada. Entretanto, as transações só podem ser realizadas durante o horário comercial e em dias úteis, limitando as possibilidades dos clientes. Já o DOC, uma tecnologia menos eficiente, leva até um dia útil para fazer a compensação da transação entre bancos diferentes.

Para as instituições financeiras, o custo será de 1 centavo a cada 10 transações. O preço praticado junto aos clientes pessoa jurídica poderá variar de acordo com o banco que a empresa possui vínculo. Algumas optaram por não tarifar este serviço para pessoa Jurídica, e oferecem isto como um diferencial.

 

Para quem é empresário, o PIX se apresenta como uma opção muito positiva de recebimento, pois é uma forma muito prática de pagar e receber dinheiro, em segundos, a qualquer dia e a qualquer hora. Esta modalidade de pagamentos e transferências também será facilmente integrada a máquinas de cartão, PIN-Pads, e aos sistemas CRM e ERP utilizados pela maioria dos empreendimentos, com a integração direta entre o PDV e Checkout.

 

O PIX é realizado 24 horas por dia, sete dias por semana, até mesmo aos sábados, domingos e feriados, sendo necessários apenas alguns segundos para a sua efetivação. A sua utilização também é muito útil na realização de transferências bancárias e pagamentos. Ele é realizado através dos bancos que integram o Sistema Financeiro Nacional Principalmente pelos aplicativos financeiros de internet banking.

 

Mesmo diante desta tecnologia e nova modalidade de pagamentos, as modalidades tradicionais (TED e DOC) continuam ativas, permitindo a adaptação completa do mercado a nova tecnologia  - PIX.

 

Semelhante ao TED e ao DOC, o PIX funciona como um intermediador entre as partes que estão transacionando os valores. O emissor e o receptor podem ser pessoas físicas, pessoas jurídicas ou até mesmo entes governamentais para pagamento de taxas e impostos.

 

Outra novidade interessante é que os clientes não precisam instalar um novo aplicativo especialmente para realizar um PIX. Segundo o Banco Central, a tecnologia do sistema está sendo integrada gradativamente aos aplicativos das empresas que já oferecem serviços de movimentação financeira digital, como os bancos e as fintechs.

Quando você abrir o APP do seu internet banking, além do TED e do DOC, você também tem à sua disposição a possibilidade de realizar uma transação pelo PIX nos caixas eletrônicos dos bancos ou ainda nos serviços de autoatendimento de algumas lojas, o PIX também já é uma opção possível para a realização de transações, caso você não esteja usando o seu dispositivo pessoal. A segurança é a mesma.

Como é o funcionamento do PIX para clientes?

Para falar sobre o funcionamento do PIX, é interessante esclarecer a jornada da transição do dinheiro entre o pagador e o recebedor. O pagador emite a ordem de pagamento. O dinheiro é então transferido para um provedor de serviços de pagamento. Depois, a ordem de pagamento é processada por um participante direto do Sistema Financeiro, que pode ser um banco ou uma fintech. A transação é então compensada a partir da Infraestrutura Única de Liquidação do Banco Central (LBTR), para depois ser encaminhada ao segundo participante direto até chegar finalmente à conta do recebedor.

 

Embora esse caminho pareça longo e complexo, a tecnologia do PIX permite que toda essa interação digital financeira seja feita instantaneamente 24 horas por dia. Os intermediários envolvidos no processo são os bancos ou fintechs nas quais os clientes têm conta. Eles ajudam a atestar a validade da transação, verificam dados e realizam a movimentação efetiva do dinheiro. Interessante é que isto acontece em poucos segundos!

Existem três maneiras de transferir dinheiro a partir da tecnologia PIX:

✔️ A primeira, que provavelmente a maioria dos clientes já está acostumada, é feita a partir da informação dos dados bancários do recebedor do pagamento, igual já se faz com o TED e com o DOC. Os dados exigidos são o nome completo, o número do CPF, o número do banco, da agência e da conta.

✔️ Também será possível fazer transações e pagamentos a partir de QR Code. Algumas fintechs já operam com QR Codes, entretanto, elas usam códigos específicos que só podem ser lidos pelos APP's de clientes da empresa em questão.Com as transferências e pagamentos PIX, o recebedor emite um QR Code universal, que pode ser estático ou dinâmico. Este código poderá ser lido pelo leitor de qualquer dispositivo e/ou APP que já esteja integrado à modalidade PIX. Basta apontar o leitor para o código e confirmar a transação.

Os QR Codes estáticos (sempre iguais) poderão ser utilizados para transações entre duas pessoas (físicas ou jurídicas). Neste caso, o recebedor ou o emissor atribuem um valor para aquele QR Code válido para aquela única transação.

Os QR Codes dinâmicos (gerados individualmente) possuem um volume maior de informações escritas individualmente sempre que é realizada uma nova transação. Por este nível maior de segurança, este tipo de código será mais utilizado para o pagamento de compras — assim como é feito com o boleto bancário hoje.

✔️ Uma das novidades da transação de dinheiro nesta modalidade são as chaves PIX. Quando adere à tecnologia PIX, o cliente informa um ou mais de seus dados para a instituição financeira na qual já é cliente: pode ser número de celular, e-mail, CNPJ ou CPF. No momento de confirmar a transação, será possível concluir a transferências usando apenas um destes dados.

Chave PIX, como assim?

Se você está com dúvidas ou acha que as chaves PIX não são seguras o suficiente para proteger a sua transação financeira, fique tranquilo. Vamos detalhar!

A chave PIX não funciona como uma senha de banco. Ou seja, ela não é um dispositivo de segurança da sua transação. Ela serve apenas como um apelido que o recebedor da movimentação financeira utiliza para ser identificado na hora de receber um pagamento.

Por isso, se você irá receber uma transação, ao invés de passar nome, CPF, banco, agência e conta, como se faz no TED e no DOC, você pode passar apenas um único dado. Esta chave é previamente cadastrada pelo cliente junto à instituição financeira na qual é cliente.

Cada pessoa física pode registrar até 5 chaves PIX a cada conta na qual é titular. As pessoas jurídicas, por sua vez, podem cadastrar até 20 contas. Como não existe um limite máximo de chaves por pessoa, o cliente poderá cadastrar quantas chaves achar conveniente dentro de cada conta em que é titular. Contudo, não é possível cadastrar uma mesma chave em mais de uma conta, pois isso pode gerar um conflito de informações na hora de transacionar o seu dinheiro. Se você colocar o seu número de CPF como chave PIX de uma conta, em sua outra conta é necessário colocar outro dado.

Caso você queira transferir a sua chave PIX de uma conta para outra, é necessário realizar a portabilidade de chaves. Basta avisar a sua instituição financeira via APP ou outros contatos para que ela realize a troca solicitada.

Desde o dia 5 de outubro os clientes já podem cadastrar as suas chaves PIX junto às instituições financeiras que já integraram o sistema. Certos bancos já estão aceitando as chaves mesmo antes da data de instituição do PIX.

No que diz respeito à segurança das transações financeiras, o Banco Central realizou diversas fases de teste contra ataques e fraudes durante as etapas de desenvolvimento deste ecossistema de transações. Durante este período, o BC corrigiu falhas e aprimorou os detalhes técnicos que permitem ao PIX transacionar valores instantaneamente de maneira segura.

A expectativa do Banco Central com o lançamento do PIX é que este ecossistema de transações proporcione mais concorrência entre as instituições financeiras e, consequentemente, melhores serviços aos clientes com custos reduzidos. Se você é pessoa física, pode usar o PIX de graça.

Se é pessoa jurídica, MEI, empresário ou sócio, o PIX é uma ferramenta de recebimento e transferência de valores que irá facilitar muito a sua vida e reduzir os custos que o seu negócio gasta todos os dias com taxas bancárias.

Com a possibilidade de fazer transações 24 horas por dia, sete dias por semana e até mesmo em feriados, o PIX promete tornar o nosso mercado e a nossa economia mais práticos, dinâmicos e competitivos.

Esperamos que você tenha gostado e aproveitado este conteúdo elaborado pelo Sebrae. Não deixe de ler outras de nossas publicações que oferecem informações fundamentais para a rotina e o trabalho de milhões de empreendedores. Até a próxima!